Friday, 11 November 2016

Papa Francisco fala do anticristo e dos cristãos que menosprezam a Igreja

Partilhem! Obrigado.
Na homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta, o Papa Francisco advertiu contra a tentação de construir ideologias a partir do amor cristão e da religiosidade; ideologias nas quais não se reconhece a mensagem evangélica do amor de Deus pelo homem.
“Um amor que não reconhece que Jesus veio em Carne, na Carne, não é o amor que Deus nos comanda. É um amor mundano, é um amor filosófico, é um amor abstrato, é um amor pequeno, é amor soft. Não! O critério do amor cristão é a Encarnação do Verbo. Quem diz que o amor cristão é outra coisa, este é o anticristo! Que não reconhece que o Verbo veio na Carne”.
“A única maneira de amar como Jesus amou – indicou o Pontífice – é sair continuamente do próprio egoísmo e ir a serviço dos outros”. O amor cristão “é um amor concreto, porque concreta é a presença de Deus em Jesus Cristo”. “A Igreja é a comunidade em torno da presença de Cristo, que vai além”, assegurou.
O protótipo do amor cristão é o amor de Cristo por sua noiva, a Igreja. “Quem quer amar não como Cristo ama sua noiva, a Igreja, com a própria carne e dando a vida, ama ideologicamente”, afirmou Francisco. “Fazer teorias e ideologias, também propostas de religiosidade que retiram a Carne de Cristo, que retiram a Carne à Igreja, vão além e arruínam a comunidade, arruínam a Igreja”.
“Se começarmos a teorizar sobre o amor, chegaremos à transformação da vontade de Deus”, disse o Santo Padre. “Chegaremos a um Deus sem Cristo, um Cristo sem Igreja e a uma Igreja sem povo. Tudo neste processo de escarnecer a Igreja”.

Mais acerca de aderir a Cristo mas rejeitar a Igreja, assista a um video que criei: https://www.youtube.com/watch?v=AkHhFjY32do

Tuesday, 25 October 2016

O que a Igreja diz sobre a cremação

Partilhem! Obrigado. O texto publicado abaixo nao mostra o conteudo completo do documento da Congregacao. Selecionei as partes mais importantes para uma mais rapida leitura ao leitor. Para ver tudo, acesse ao link que esta' no fim da pagina.
1. Para ressuscitar com Cristo, é necessário morrer com Cristo, isto é, “exilarmo-nos do corpo para irmos habitar junto do Senhor” (2 Cor 5, 8). Com a Instrução Piam et constantem, de 5 de Julho de 1963, o então chamado Santo Ofício, estabeleceu que “seja fielmente conservado o costume de enterrar os cadáveres dos fiéis”, acrescentando, ainda, que a cremação não é “em si mesma contrária à religião cristã”. Mais ainda, afirmava que não devem ser negados os sacramentos e as exéquias àqueles que pediram para ser cremados, na condição de que tal escolha não seja querida “como a negação dos dogmas cristãos, ou num espírito sectário, ou ainda, por ódio contra a religião católica e à Igreja”.Esta mudança da disciplina eclesiástica foi consignada no Código de Direito Canónico (1983) e no Código dos Cânones da Igreja Oriental (1990).
Entretanto, a prática da cremação difundiu-se bastante em muitas Nações e, ao mesmo tempo, difundem-se, também, novas ideias contrastantes com a fé da Igreja. Depois de a seu tempo se ter ouvido a Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, o Pontifício Conselho para os Textos Legislativos e numerosas Conferências Episcopais e Sinodais dos bispos das Igrejas Orientais, a Congregação para a Doutrina da Fé considerou oportuno publicar uma nova Instrução, a fim de repor as razões doutrinais e pastorais da preferência a dar à sepultura dos corpos e, ao mesmo tempo, dar normas sobre o que diz respeito à conservação das cinzas no caso da cremação.
2. [...]
Se é verdade que Cristo nos ressuscitará “no último dia”, é também verdade que, de certa forma já ressuscitámos com Cristo. De facto, pelo Baptismo, estamos imersos na morte e ressurreição de Cristo e sacramentalmente assimilados a Ele: “Sepultados com Ele no baptismo, também com Ele fostes ressuscitados pela fé que tivestes no poder de Deus, que O ressuscitou dos mortos” (Col 2, 12). Unidos a Cristo pelo Baptismo, participamos já, realmente, na vida de Cristo ressuscitado (cf. Ef 2, 6).
Graças a Cristo, a morte cristã tem um significado positivo. A liturgia da Igreja reza: “Para os que creem em vós, Senhor, a vida não acaba, apenas se transforma; e, desfeita a morada deste exílio terrestre, adquirimos no céu uma habitação eterna”.Na morte, o espírito separa-se do corpo, mas na ressurreição Deus torna a dar vida incorruptível ao nosso corpo transformado, reunindo-o, de novo, ao nosso espírito. Também nos nossos dias a Igreja é chamada a anunciar a fé na ressurreição: “A ressurreição dos mortos é a fé dos cristãos: acreditando nisso somos o que professamos”.
3. Seguindo a antiga tradição cristã, a Igreja recomenda insistentemente que os corpos dos defuntos sejam sepultados no cemitério ou num lugar sagrado.
[...]
Enterrando os corpos dos fiéis defuntos, a Igreja confirma a fé na ressurreição da carne, e deseja colocar em relevo a grande dignidade do corpo humano como parte integrante da pessoa da qual o corpo condivide a história. Não pode, por isso, permitir comportamentos e ritos que envolvam concepções erróneas sobre a morte: seja o aniquilamento definitivo da pessoa; seja o momento da sua fusão com a Mãe natureza ou com o universo; seja como uma etapa no processo da reincarnação; seja ainda, como a libertação definitiva da “prisão” do corpo.
Por outro lado, a sepultura nos cemitérios ou noutros lugares sagrados responde adequadamente à piedade e ao respeito devido aos corpos dos fiéis defuntos, que, mediante o Baptismo, se tornaram templo do Espírito Santo e dos quais, “como instrumentos e vasos, se serviu santamente o Espírito Santo para realizar tantas boas obras”.
O justo Tobias é elogiado pelos méritos alcançados junto de Deus por ter enterrado os mortos, e a Igreja considera a sepultura dos mortos como uma obra de misericórdia corporal.
Ainda mais, a sepultura dos corpos dos fiéis defuntos nos cemitérios ou noutros lugares sagrados favorece a memória e a oração pelos defuntos da parte dos seus familiares e de toda a comunidade cristã, assim como a veneração dos mártires e dos santos.
[...]
4. Onde por razões de tipo higiénico, económico ou social se escolhe a cremação; escolha que não deve ser contrária à vontade explícita ou razoavelmente presumível do fiel defunto, a Igreja não vê razões doutrinais para impedir tal práxis; uma vez que a cremação do cadáver não toca o espírito e não impede à omnipotência divina de ressuscitar o corpo. Por isso, tal facto, não implica uma razão objetiva que negue a doutrina cristã sobre a imortalidade da alma e da ressurreição dos corpos.
A Igreja continua a preferir a sepultura dos corpos uma vez que assim se evidencia uma estima maior pelos defuntos; todavia, a cremação não é proibida, “a não ser que tenha sido preferida por razões contrárias à doutrina cristã”.
Na ausência de motivações contrárias à doutrina cristã, a Igreja, depois da celebração das exéquias, acompanha a escolha da cremação seguindo as respectivas indicações litúrgicas e pastorais, evitando qualquer tipo de escândalo ou de indiferentismo religioso.
5. Quaisquer que sejam as motivações legítimas que levaram à escolha da cremação do cadáver, as cinzas do defunto devem ser conservadas, por norma, num lugar sagrado, isto é, no cemitério ou, se for o caso, numa igreja ou num lugar especialmente dedicado a esse fim determinado pela autoridade eclesiástica.
[...]
A conservação das cinzas num lugar sagrado pode contribuir para que não se corra o risco de afastar os defuntos da oração e da recordação dos parentes e da comunidade cristã. Por outro lado, deste modo, se evita a possibilidade de esquecimento ou falta de respeito que podem acontecer, sobretudo depois de passar a primeira geração, ou então cair em práticas inconvenientes ou supersticiosas.
6. Pelos motivos mencionados, a conservação das cinzas em casa não é consentida. [...] As cinzas não podem ser dividias entre os vários núcleos familiares e deve ser sempre assegurado o respeito e as adequadas condições de conservação das mesmas
7. Para evitar qualquer tipo de equívoco panteísta, naturalista ou niilista, não seja permitida a dispersão das cinzas no ar, na terra ou na água ou, ainda, em qualquer outro lugar. Exclui-se, ainda a conservação das cinzas cremadas sob a forma de recordação comemorativa em peças de joalharia ou em outros objetos, tendo presente que para tal modo de proceder não podem ser adoptadas razões de ordem higiénica, social ou económica a motivar a escolha da cremação.
8. No caso do defunto ter claramente manifestado o desejo da cremação e a dispersão das mesmas na natureza por razões contrárias à fé cristã, devem ser negadas as exéquias, segundo o direito.
O Sumo Pontífice Francisco, na Audiência concedida ao abaixo-assinado, Cardeal Prefeito, em 18 de Março de 2016, aprovou a presente Instrução, decidida na Sessão Ordinária desta Congregação em 2 de Março de 2016, e ordenou a sua publicação.
Roma, Congregação para a Doutrina da Fé, 15 de Agosto de 2016, Solenidade da Assunção da Virgem Santa Maria.

Saturday, 6 August 2016

Simbolos e significados da bandeira do Vaticano

Proximo video: A ideia que a maioria das pessoas tem sobre a Igreja.

Partilhem! Obrigado. Links recomendados abaixo das imagens.
Bandeira do Vaticano
Tiara Papal oferecida a Bento XVI por um grupo de catolicos alemaes. Este nunca a usou. Como disse no video, o ultimo Papa que usou uma tiara foi o Beato Paulo VI em 1963.
Tiara Papal oferecida ao atual Papa Francisco.
Estatua de S.Pedro no Vaticano. A cada 29 de Junho (festa liturgica de S.Pedro e S.Paulo, mais conhecida como o "Dia do Papa"), esta e' solenemente adornada com uma tiara e uma capa. 

LINKS DE VIDEOS RECOMENDADOS:

Sunday, 31 July 2016

Querem destruir o Vaticano? Façam à vontade!

Proximo video: Simbolos e significados da bandeira do Vaticano.

Partilhem! Obrigado.

Saturday, 30 July 2016

Papa: "Não confundam a felicidade com um sofá que nos faz adormecer"

Partilhem! Obrigado.

O Papa Francisco dirigiu um discurso emocionante aos 1,6 milhões de jovens reunidos no Campus Misericordiae para a Vigília de Oração da Jornada Mundial da Juventude 2016 em Cracóvia, a quem exortou não confundir uma “sofá” no qual se corre o perigo de terminar “adormecidos, pasmados, entontecidos”.
Ao iniciar esta grande vigília, o Santo Padre cruzou, de mãos dadas com seis jovens, a Porta Santa colocada especialmente para a ocasião, no Campus Misericordiae, onde se realizou este esperado evento.
Em seguida, escutou as boas-vindas do Arcebispo de Cracóvia e anfitrião desta JMJ, o Cardeal Stanislaw Dziwisz.
O Purpurado disse ao Pontífice que a vigília se realiza no “Campus Misericordiae, esta vasta extensão que aos nossos olhos se torna hoje o grande Cenáculo de jovens discípulos do Mestre de Nazaré. Eles são uma enorme multidão de todos os continentes e nações”.
“Cotidianamente, falam distintos idiomas, mas nesses dias falam entre eles um só, o idioma da fé, da fraternidade e do amor. Estes jovens também esperam tua palavra que se expressa com a linguagem do amor”, disse.
Após as palavras do Cardeal, os jovens fizeram várias encenações e três peregrinos compartilharam seu testemunho com os presentes.
Uma polaca, chamada Natalia, contou sua intensa experiência da misericórdia de Deus e como mudou sua vida a partir de uma confissão especial que teve há alguns anos; Rand, da Síria, narrou a dor da guerra no seu país; enquanto Miguel, do Paraguai, contou como ele superou o flagelo das drogas com a força da fé.
Em seguida, o Papa pronunciou seu discurso, no qual advertiu sobre uma paralisia “perigosa e difícil”, que muitas vezes é difícil de identificar: “gosto de a chamar a paralisia que brota quando se confunde ‘felicidade’ com um ‘sofá’! Sim, julgar que, para ser felizes, temos necessidade de um bom sofá”.
“Um sofá que nos ajude a estar cômodos, tranquilos, bem seguros. Um sofá – como os que existem agora, modernos, incluindo massagens para dormir – que nos garanta horas de tranquilidade para mergulharmos no mundo dos videojogos e passar horas diante do computador”.
“Um sofá contra todo o tipo de dores e medos. Um sofá que nos faça estar fechados em casa, sem nos cansarmos nem nos preocuparmos. Provavelmente, o sofá-felicidade é a paralisia silenciosa que mais nos pode arruinar, a juventude. E por que isso acontece Padre? Porque pouco a pouco, sem nos darmos conta, encontramo-nos adormecidos, encontramo-nos pasmados e entontecidos. Ontem falava dos jovens que se aposentam aos 20 anos, hoje falo dos jovens adormecidos, pasmados, entontecidos”.
O Papa questionou os jovens presentes: “Querem ser jovens adormecidos, pasmados, entontecidos? Querem que os outros decidam o futuro por vocês? Querem ser livre? Querem lutar por seu futuro? Não estão muito convencidos, eh. Querem lutar por seu futuro?”, ao que os peregrinos responderam com um grande “Sim”.
“Queridos jovens – continuou Francisco –, não viemos ao mundo para ‘vegetar’, para transcorrer comodamente os dias, para fazer da vida um sofá que nos adormeça; pelo contrário, viemos com outra finalidade, para deixar uma marca. É muito triste passar pela vida sem deixar uma marca”.
O Santo Padre explicou que “quando escolhemos a comodidade, confundindo felicidade com consumo, então o preço que pagamos é muito, mas muito caro: perdemos a liberdade. Não somos livres para deixar uma marca, perdemos a liberdade”.
“Este é o preço e há muita gente que quer que os jovens não sejam livres, que sigam adormecidos, pasmados, entontecidos. Isto não pode ser, devemos defender nossa liberdade”, exortou.
O Papa recordou que “Jesus é o Senhor do risco, do sempre ‘mais além’. Jesus não é o Senhor do conforto, da segurança e da comodidade. Para seguir a Jesus, é preciso ter uma boa dose de coragem, é preciso decidir-se a trocar o sofá por um par de sapatos que te ajudem a caminhar por estradas nunca sonhadas e nem mesmo pensadas”.
“Poderíeis replicar-me: Mas isto, padre, não é para todos; é só para alguns eleitos! Sim, e estes eleitos são todos aqueles que estão dispostos a partilhar a sua vida com os outros”.
O Senhor, como no dia de Pentecostes, continuou o Papa, “quer realizar um dos maiores milagres que podemos experimentar: fazer com que as tuas mãos, as minhas mãos, as nossas mãos se transformem em sinais de reconciliação, de comunhão, de criação” e questionou “e você, o que responde? Sim ou não?”.
“Dir-me-ás: Mas, padre, eu sou muito limitado, sou pecador… que posso fazer? Quando o Senhor nos chama não pensa naquilo que somos, naquilo que éramos, naquilo que fizemos ou deixamos de fazer. Pelo contrário: no momento em que nos chama, Ele está a ver tudo aquilo que poderemos fazer, todo o amor que somos capazes de comunicar. Ele aposta sempre no futuro, no amanhã. Jesus olha-te projetado no horizonte”.
O Pontífice, em seguida, salientou: “Hoje, Jesus, que é o caminho, a ti, a ti, a ti, te chama a deixar tua marca na história. Ele, que é a vida, convida-te a deixar uma marca que encha de vida a tua história e a de muitos outros. Ele, que é a verdade, convida-te a deixar as estradas da separação, da divisão, do sem sentido”.
“Aceitais? Que respondem as vossas mãos e os vossos pés ao Senhor, que é caminho, verdade e vida? Que o Senhor abençoe seus sonhos, obrigado”, concluiu o Papa Francisco.

Sunday, 24 July 2016

Santos que usaram a armadura do exercito e de Deus

Proximo video: Querem destruir o Vaticano? Façam à vontade!

Partilhem! Obrigado.
St.Inacio de Loyola (soldado)
S.Francisco de Assis
S.Sebastiao
Sta.Joana d'Arc
S.Jorge
Assassinato de S.Tomas Becket
Icone de S.Tomas Becket